Resenha – Do que estamos falando quando falamos de estupro – Sohaila Abdulali

Terminei a leitura desse livro já faz quase um mês e ainda não consegui escrever sobre ele. Imagine que falar de um livro que trata de estupro te deixa praticamente sem palavras, o que dizer então das vítimas de estupro que precisam ou desejam relatar a violência que sofreram?!

Do que estamos falando quando falamos de estupro

ISBN-13: 9788554126346
Ano: 2019
Tradução:Luis Reyes Gil
Páginas: 256
Editora: Vestígio
Skoob: adicione
Compre na Amazon

*Livro cedido pela editora Vestígio

Do que Estamos Falando Quando Falamos de Estupro é um livro que choca desde o primeiro capítulo. Nele, a autora Sohaila Abdulali relata o estupro coletivo que sofreu quando tinha 17 anos e, ao contrário de muitas, ela decidiu romper a barreira do silêncio e enviar sua história para ser publicada em uma revista feminina. Além disso, desde a sua graduação, Sohaila decidiu pesquisar sobre o tema estupro e mais tarde viria a trabalhar em um Centro de Emergência ao Estupro em Cambridge.

Neste livro, Sohaila Abdulali enfatiza a importância das vítimas não se calarem diante da violência sofrida. Para ela, a partir do momento em que a vítima fala, ela deixa de ser apenas uma vítima e passa a reassumir algum controle. É possível perceber através dos vários relatos do livro que o estupro é um crime que está presente em praticamente todos os lugares e que abrange todas as classes sociais. É claro que quem mais sofre com este crime são as mulheres, porém, existem relatos de homens que também foram vítimas de estupro. 

Sohaila Abdulali levanta uma importante discussão acerca do termo consentimento, sendo este, analisado em diferentes situações.

“Dizer “mais ela consentiu!” É apenas uma das milhares de formas que arrumamos para sair logo pondo a culpa na vítima.”

A autora destaca ainda questões como o estupro de mulheres pelos próprios maridos e as profissionais do sexo que na maioria das vezes, pelo fato de estarem recebendo dinheiro por sexo, são taxadas como merecedoras de tal violência.

“Ser uma profissional do sexo não significa que você merece ser estuprada. Ser uma esposa também não.”

Muitos leitores poderão se questionar e até mesmo discordar sobre a forma como Sohaila fala sobre estupro, sobre como a vítima não deve se  calar diante da violência e que a pessoa que sofreu um estupro pode sim ter uma vida após um trauma de tal magnitude. Já se antecipando a isso, a autora afirma que: 

“Meu medo é que, ao dizer que ele não precisa ser o fim da esperança e da luz, eu possa parecer leviana e deixar de destacar o enorme sofrimento e o trauma das vítimas de estupro.”

Do que Estamos Falando Quando Falamos de Estupro é uma obra que aborda um tema polêmico que deve ser amplamente discutido.

Leia também: O Sol Ainda Brilha

Através dessa leitura, somos levados a repensar as nossas atitudes diante das vítimas, a questionar uma infinidade de regras e preceitos que vigoram em determinadas sociedades e religiões e acima de tudo enxergar a vítima com mais empatia e menos julgamentos. 

Apesar de ser um livro com relatos bastante chocantes, a leitura é bem fluida.

Leitura mais que recomendada!

Siga o blog nas redes sociais!

Facebook  ❤  Twitter ❤ Instagram ❤ Pinterest

 

 

4 comentários em “Resenha – Do que estamos falando quando falamos de estupro – Sohaila Abdulali

  1. Oi, amiga, finalmente vim dar as caras por aqui. Eu imagino que esse livro seja daqueles que eu não conseguiria ler rapidamente, mas nem seria também pela questão de saborear a leitura, obviamente. Teria de ser uma leitura esporádica, porque é um assunto muito pesado, embora muito importante. Eu não tenho uma opinião formada sobre se a pessoa deve ou não expor tais abusos… cabe à própria pessoa decidir no seu íntimo. É realmente muito pessoal, mas ainda assim, cada voz que não se cala, é um ato de coragem contra as crueldades das pessoas. Gostaria muito de ler o livro, e toda vez que vejo ele nas livrarias lembro dessa sua resenha.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Com certeza, a decisão de falar deve partir da própria pessoa, pois trata-se de algo pessoal e que envolve muito sofrimento. Por outro lado, tb acredito que quando uma mulher toma coragem e fala abertamente sobre o assunto como foi o caso da autora, ela acaba encorajando várias outras vítimas a fazerem o mesmo. É realmente um tema bem complexo e falar sobre isso deve ser muito difícil.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.