Resenha – Eu, Miep, escondi a família de Anne Frank

Eu, Miep, escondi a família de Anne Frank lançado recentemente pela Editora Vestígio, já havia sido publicado anteriormente no Brasil pela editora Gutenberg com o título Recordando Anne Frank.

Eu, Miep, escondi a família de Anne Frank

ISBN-10: 8554126734
Autoras: Miep Gies e Alison Leslie Gold
Tradução: Íris Figueiredo
Ano: 2020
Páginas: 256
Editora: Vestígio
Skoob: adicione
Compre o seu na Amazon
*Livro cedido pela Editora

 

Desde muito cedo Miep presenciou os horrores de uma guerra. Quando estava com cinco anos de idade teve início a Primeira Guerra Mundial e assim como outros países, a Áustria passou por grandes dificuldades. Devido a escassez de alimentos, Miep ficou com sérios problemas causados pela desnutrição e graças a um programa criado por trabalhadores estrangeiros, ela e várias outras crianças de Viena foram enviadas à Holanda para serem cuidadas e alimentadas.

Aos 11 anos de idade, Miep passou a morar com a família adotiva em Amsterdã. O tempo passou e aos 24 anos de idade a jovem conseguiu um emprego na empresa de Otto Frank. A amizade entre Miep e a família Frank foi crescendo e ela passou a frequentar algumas reuniões na residência do casal. Nesse período ela conheceu Anne Frank, uma criança muito esperta, com olhos atentos e curiosos.

É importante ressaltar que nessa mesma época Miep se reencontrou com o jovem Henk Gies, um antigo colega de trabalho e ambos iniciaram um relacionamento. Eles se casaram em 1941.

Quando a perseguição de Hitler aos judeus começa a se intensificar, Otto Frank cria um plano para proteger a sua família e vai precisar da ajuda de seus amigos para se manter a salvo.

Quem já leu O Diário de Anne Frank conheceu como era a convivência entre todos que dividiam o esconderijo.  A família Frank, a família Van Dan e o Sr. Dussel permaneceram escondidos no Anexo Secreto que ficava nos fundos da empresa de Otto Frank, até serem traídos e descobertos pelos nazistas.

No entanto, no livro Eu, Miep, escondi a família de Anne Frank, o leitor tem o relato dos fatos através da perspectiva de quem estava fora do anexo e sabia de todos os pormenores que estavam ocorrendo no país naquele momento.

Miep procurava se informar dos acontecimentos políticos, até mesmo para transmitir as notícias para os amigos que estavam escondidos. Sempre que podia, ela ficava atenta ao noticiário da BBC e da rádio Orange para se atualizar com a últimas notícias. 

Um fato que chamou a minha atenção foi acerca das mentiras e notícias falsas que eram criadas para incitar a violência contra os judeus. Os nazistas chegaram a noticiar em um jornal holandês que um grupo de judeus com dentes afiados rasgaram o pescoço de soldados nazistas e sugaram seu sangue, como vampiros. 

Enquanto a família Frank esteve no esconderijo, Miep e seu marido Henk Gies, ajudou os amigos de todas as formas possíveis: levando alimentos, livros, e, especialmente, sua presença e apoio. Certa vez, após a insistência de todos, Miep decide dormir no Anexo com os amigos e revela essa experiência.

“O silêncio do lugar era opressivo. O medo daquelas pessoas trancafiadas ali era tão pesado que eu podia senti-lo me esmagando. O terror era palpável,  tenso como um fio bem esticado. Era tão horrível que em nenhum momento eu consegui fechar os olhos. Agora eu sabia como os judeus se sentiam.”  (pág. 112)

Assim que entrava no Anexo,  todos estavam ansioso por notícias sobre a Guerra,  sobre o que estava acontecendo aos judeus lá fora. Mesmo depois que o esconderijo foi denunciado e todos foram levados pelos nazistas, Miep continuou cuidando de tudo e encontrou uma forma de manter a empresa do Sr Frank funcionando. Além disso, ela foi a responsável por guardar todos os escritos de Anne Frank, e que mais tarde se tornaria “O Diário de Anne Frank”, um livro aclamado no mundo todo.

“Parece que a Miep está sempre pensando em nós…”  Anne Frank

Miep Gies revela neste livro todas as lembranças que sua memória foi capaz de registrar daquela época tão difícil. Através dos seus relatos passamos a conhecer detalhes do seu dia a dia, como fazia para ajudar a família Frank, manter o trabalho, além de ajudar outros judeus que também estavam em grande risco.

Miep, Henk e tantos outros que arriscaram sua vida para ajudar pessoas que, muitas das vezes nem conhecia, merecem sim, ser chamados de herois. São pessoas que renovam a nossa fé na humanidade.

Durante a Segunda Guerra, muitos judeus foram salvos graças a bondade e coragem de pessoas como Miep e Henk Gies. Miep viveu mais de 100 anos e recebeu inúmeros prêmios graças a sua coragem.

Este livro está divido em três partes: Refugiados, No esconderijo e Os dias mais sombrios. Esta edição traz também diversas fotografias de Miep, Henk, da família Frank e demais pessoas que estão presentes nestes relatos, além de alguns documentos citados no livro.

6 comentários sobre “Resenha – Eu, Miep, escondi a família de Anne Frank

  1. Eu sempre tive curiosidade sobre esse livro, vou lê-lo logo logo. O diário de Anne Frank sempre foi meu livro preferido de todos que já li.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.