Resenha – A mala de Hana. Uma história real – Karen Levine

Oi gente, tudo bem?  Vocês já devem ter percebido que as histórias sobre o Holocausto são temas recorrentes aqui no blog. Livros como A Menina que Roubava livros, A Bibliotecária de Auschwitz são alguns dos quais eu gosto muito e já resenhei aqui. E hoje eu vou falar desse livro da Karen Levine que eu li recentemente.

A_MALA_DE_HANA_

Título: A mala de Hana. uma história real
Autora: Karen Levine
Ano: 2007
Editora: Melhoramentos
Número de páginas: 112 
Skoob:
 
adicione 
Comprar:
Amazon 

Sinopse: A mala de Hana é um retrato singelo, mas mostra como era cruel a vida das crianças submetidas ao Holocausto. A história se desenrola em três continentes durante um período de quase setenta anos. Envolve a experiência da garotinha Hana e de sua família na Tchecoslováquia (atual República Tcheca), nas décadas de 1930 e 40: e uma jovem e um grupo de crianças em Tóquio, no Japão: e um homem em Toronto, no Canadá, nos dias de hoje. Um relato que vai sensibilizar a todos, para que horrores semelhantes ao que atingiu Hana e outros inocentes nunca voltem a acontecer.

Hana, uma menina judia que vivia com sua família na cidade de Nove Mesto, Tchecoslováquia antes de Hitler e os nazistas tomarem a cidade durante a II Guerra Mundial. Ela e seu irmão George sempre brincavam juntos andando de triciclo, construindo forte na neve ou esquiando. Mas, o que Hana mais gostava mesmo era de patinar.

A família Brady costumava abrir a casa para artistas de todos os tipos: músicos, pintores, poetas, escultores e atores. Quando estes ficavam com fome, sempre havia um prato quentinho, preparado por Boshka, a empregada e cozinheira da família.

Continuar lendo “Resenha – A mala de Hana. Uma história real – Karen Levine”

Resenha – A menina que roubava livros – Markus Zusak

Oi gente, hoje eu trouxe pra vocês a resenha de um livro muito interessante! A Menina que Roubava Livros, do autor Markus Zusak.

a-menina-que-roubava-livros

ISBN: 978-85-8057-451-7 | Editora: Intrínseca | Páginas: 478 | Ano: 2013
Skoob: adicione | Onde comprar: Amazon

Durante a Segunda Guerra Mundial, Liesel Meminger e seu irmão serão entregues pela mãe aos cuidados de Hans e Rosa Hubermann, um casal que vivia nos arredores de Molching. Porém, seu irmão morre repentinamente durante a viagem de trem.
Ao chegar à sua nova casa na Rua Himmel, ela se depara com seus novos pais. Ele, um pintor que quase não encontrava trabalho. Ela, uma dona de casa que lavava roupas para famílias mais abastadas.

Quando chegou a Molching, Liesel tinha ao menos uma vaga percepção de estar sendo salva, mas isso não servia de consolo. Se sua mãe a amava, porque deixa-la na porta de outra pessoa? Por quê? Por quê? (pág. 32)

Apesar de ainda não saber a ler corretamente, Liesel demonstra uma grande fascinação pelos livros e durante o enterro do seu irmão, quando sem perceber um rapaz deixa cair na neve um livro de capa preta, ela pega e guarda consigo “O Manual do Coveiro”. Este seria o primeiro roubo.

a-menina-que-roubava-livros-markus-zusak

Leia também: A Mala de Hana

Em seu novo lar, a menina começa a frequentar a escola e faz amigos. Um em especial Rudy Steiner, com o qual ela passa a maior parte do seu dia. Mais tarde durante as comemorações do aniversário de Hitler, Liesel rouba o segundo livro de uma fogueira (livros considerados contra o sistema foram queimados em uma fogueira em praça pública) e se torna uma roubadora de livros. Com o passar do tempo, auxiliada por seu pai ela aprende a ler com mais desenvoltura.

Liesel ajudava sua mãe entregando a roupa passada. Em uma destas ocasiões ela conhece a mulher do prefeito Ilsa Herman e descobre uma biblioteca onde passa a frequentar e roubar os livros.

Livros por toda parte! Cada parede era provida de estantes apinhadas, mas imaculadas. Mal se conseguia ver a tinta. Havia toda sorte de estilos e letras diferentes nas lombadas dos livros, pretos, vermelhos, cinzentos, de toda cor. Era uma das coisas mais lindas que Liesel Meminger já tinha visto. (pág. 123)

Outro personagem importante na história é Max Vandenburg, filho de um amigo de Hans, que vive clandestinamente durante algum tempo na casa dos Hubermann e se torna um grande amigo de Liesel. Max leva Liesel a se encantar ainda mais com o “mundo das palavras”.

Algum tempo depois os bombardeios chegam a Rua Himmel e todos, ao ouvirem a sirene tocar vão se refugiar em um abrigo subterrâneo. Nestas ocasiões em que crianças e adultos estão tomados pelo medo Liesel encontra nos livros , uma forma de aliviar um pouco do sofrimento vivenciado por todos.

Conheça: 5 livros sobre o Holocausto que você precisa ler

A história da menina que roubava livros é narrada pela própria Morte. Esta se encontra com Liesel três vezes entre 1939 e 1943, entretanto Liesel saiu viva das três ocasiões.
A Menina que Roubava Livros retrata os horrores de uma guerra e nos leva a fazer uma reflexão sobre humanidade, vida e morte. Diante disso, como é citado no próprio livro: “Quando a Morte conta uma história, você deve parar para ler”.
É um livro maravilhoso! Muito emocionante! E então, vamos conhecer a roubadora de livros?

Siga o blog nas redes sociais!

Facebook  ❤  Twitter ❤ Google+ ❤ Instagram ❤ Pinterest